24 de dezembro de 2006

Um Pai Natal andaluz



Para o estereótipo ser perfeito faltam-lhe as vestes vermelhas. E ser menos comunicativo também, porque o velhote nórdico apenas solta uns monossílabos ininteligíveis. Gino Barba Iglesia, pelo contrário, é um homem concreto, simpático e conversador, que ri das amarguras da vida. Artista plástico itinerante, retratista de rua por estes dias a residir no Porto, acedeu amavelmente partilhar o desejo de Boas Festas aos visitantes que comigo fazem A Cidade Surpreendente.

23 de dezembro de 2006

Longa vida à Livraria Fernando Machado

Há dias, quando cultivava o meu vício de passear de máquina fotográfica, desta vez na tentativa de conseguir uma fotografia das pobres iluminações natalícias da Baixa, tive uma agradável surpresa. A Livraria Fernando Machado, apareceu-me, no meio da noite, reluzente, como nova, bem destacada da escuridão por uma luz esplêndida.



Lembrei-me então da notícia de O Tripeiro, na edição deste mês, sobre a Fernando Machado, anunciando que a livraria estava de regresso aos Clérigos, mais bonita e mais funcional, portas abertas a todos, com música em fundo que convida à permanência, disposta a retomar o seu lugar na cultura portuense.
O que vale, ainda segundo O Tripeiro, é que as livrarias, ao contrário dos homens morrem mas podem ressuscitar.
Longa vida, então, à Livraria Fernando Machado!

17 de dezembro de 2006

Um livro com alma

«Pode uma cidade ter alma?», interrogam-se os autores do livro recém-chegado aos escaparates. E dão-nos uma das muitas respostas possíveis. A alma de uma cidade é o indizível, a «projecção transcendente de um todo que envolve diferentes componentes como o histórico, o arquitectónico, o científico, a experiência humana através da organização sócio-cultural».
Daqui partem J. Tamagnini Barbosa e Manuel Dias para um percurso pelo Porto de A a Z, ao longo de quase 400 páginas ilustradas com reproduções de gravuras, aguarelas, óleos e excelentes fotografias de Gaspar de Jesus. Da mesa da Adega de Vila Meã ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, do Estádio do Dragão à memória dos cafés do Porto ou da figura de Afonso Pinto de Magalhães, este é um livro feito por profundos conhecedores da cidade, um livro com alma.

O meu nome escreve-se com dois tês.
Leiam pelo menos um.



Casa de Almeida Garrett
Descendo do Jardim da Cordoaria para a Rua das Virtudes, no nº 37 da Rua de Barbosa de Castro (a antiga Rua do Calvário), vai encontrar-se a casa onde nasceu, a 4 de Fevereiro de 1799, um certo João Baptista da Silva Leitão, posteriormente Visconde de Almeida Garrett, que aí viveu até aos cinco anos de idade, altura em que a família se mudou para uma quinta em Vila Nova de Gaia ( de onde, aquando da Segunda Invasão Francesa, se transferiria para os Açores).
De traça setecentista, o imóvel ostenta na fachada, desde 1864, um medalhão oval de gesso, em baixo relevo, homenageando a memória deste cidadão portuense, notável homem de letras, político de inflamada oratória, diplomata e cultor obsessivo da elegância. Uma curiosidade. «O meu nome escreve-se com dois tês. Leiam pelo menos um». Disse-o o próprio, mas, mais de dois séculos passados sobre o seu nascimento, ainda há muito quem, na rádio e na televisão, pronuncie Garré.

in Porto Cidade com Alma

13 de dezembro de 2006

O seu a seu dono

Como tenho andado afastado da rede só agora soube que a iniciativa do Geração Rasca, de eleger os melhores blogues de 2006, brindou A Cidade Surpreendente com um honroso 4º lugar na categoria do Melhor Blogue Temático. Tendo consciência que há melhores blogues do que este, entre o 5º e o 10º lugar, procuro uma justificação no campo dos afectos que aqui têm nascido.
Parabéns ao excelente Foram-se os Anéis, pelo 1º lugar, e a todos os premiados nas outras categorias. Ah! E obrigado à geração rasca e a todos aqueles que votaram n'A Cidade Surpreendente. O troféu, gratificante, fica aí ao cantinho, para mais tarde recordar.

26 de novembro de 2006

A Mário Cesariny


Prado do Repouso, Porto

Todos por um

A manhã está tão triste
que os poetas românticos de Lisboa
morreram todos com certeza

Santos
Mártires
e Heróis

Que mau tempo estará a fazer no Porto?
Manhã triste, pela certa.

Oxalá que os poetas românticos do Porto
sejam compreensivos a pontos de deixarem
uma nesgazinha de cemitério florido
que é para os poetas românticos de Lisboa não terem de
recorrer à vala comum

Mário Cesariny

19 de novembro de 2006

Latina, a livraria que tem Camões como patrono

Segundo uma crónica de Germano Silva, publicada no Jornal de Notícias há uns dois anos, Luís Vaz de Camões nunca terá passado pelo Porto. Era homem de outros percursos, doutras paragens semeadas de aventuras que aqui não encontraria.
A cidade, também, pouco o refere. Deu-lhe o nome a uma rua, ergueu-lhe um interessantíssimo, mas modesto, busto desgrenhado, virado ao vento sul do Atlântico num recanto da Avenida Brasil, e comemora-o no cunhal da Livraria Latina, casa de letras que o assumiu como patrono.

O Camões da Latina, que já aqui vimos, despeitado, a meter conversa com a figura feminina que se encontra na esquina oposta, do outro lado da Rua de Santa Catarina, é, imaginem, da autoria de alguém que, tendo formação de escultor, ficou conhecido como um dos pintores que melhor soube retratar o Porto, o aguarelista António Cruz. Deve-se a Henrique Perdigão, fundador da Latina em 1942, a substituição da figura de Mercúrio - companhia inadequada, na opinião do editor-livreiro - pela de Luís de Camões, na fachada da livraria.
Este preciosismo, que acabou por constituir uma boa homenagem da cidade ao nosso maior poeta, não é de admirar se nos aproximarmos um pouco de Henrique Perdigão. Era um literato, decidido, inovador, pleno de iniciativa, que dedicou vinte anos da sua vida à elaboração do Dicionário Universal de Literatura, obra prestigiada tanto em Portugal como no Brasil, onde ficou conhecido como Dicionário Perdigão.

Para comemorar a inauguração da livraria, Henrique Perdigão organizou um concurso literário, o primeiro realizado em Portugal. Abria assim também, de forma inédita, as edições da Colecção Latina que, em menos de três anos, poriam nos escaparates das livrarias quarenta novas obras - um prodígio para a época - de autores como António Botto, Teixeira de Pascoaes e João Gaspar Simões, entre outros.



Henrique Perdigão considerava a Latina como «a mais moderna organização livreira e editorial do país.» Ali podiam encontrar-se «livros de tudo e para todos, sobre Letras, Filosofia, Artes e Ciências e ainda tratados de Medicina, Cirurgia, Engenharia, Direito, indústrias têxteis metalúrgicas e eléctricas, contabilidade comercial, etc, etc.» Vendia ainda, por baixo de mão e com risco não despiciendo, livros políticos e outros proibidos pelo regime de Salazar, que incluíam autores como Jorge Amado, Raul Rego, Henrique Galvão, Cunha Leal e pasme-se... duas obras de Aquilino Ribeiro, Quando os Lobos Uivam e Príncipes de Portugal.

A ele se deve a iniciativa da primeira página literária nos jornais do Porto, publicada em O Primeiro de Janeiro sob a direcção do jornalista Jaime Brasil. Mais tarde, O Comércio do Porto e o Jornal de Notícias seguir-lhe-iam as pisadas.

Morreria prematuramente, em 1944, numa das suas deslocações ao Brasil, país com que mantinha uma estreita relação afectiva, para comprar livros que divulgaria em Portugal. Sucedeu-lhe o filho, Mário Perdigão, que manteve a Latina no roteiro bibliográfico portuense durante 53 anos.





Uma das características da tradicional livraria era o enorme pé-direito, preenchido com livros até ao tecto, que, fazendo a delícia dos turistas, «impedia o acesso do público às obras», segundo Henrique Perdigão, neto homónimo do fundador, que assumiu a decisão da renovação da Latina há dois anos. As obras foram ditadas por «razões comerciais e de estabilidade da estrutura do edifício», acrescentou.



O novo espaço, que conjuga a leveza e a elegância permitidas por materiais como a madeira e o aço, mantém a emblemática parede, agora acessível, pejada de livros. Entretanto a livraria duplicou os títulos e aumentou a aposta nos livros temáticos. A avaliar pelas declarações do proprietário, a Latina está de novo, como quando foi fundada, com o olhar posto no futuro.

_________________
28 de Novembro

Duas notas
Uma para recomendar a leitura da adenda de JRP, no Comboio Azul, ao que aqui se escreve acerca de Camões e o Porto.
A outra, para corrigir a data desta entrada, que foi publicada a 24 de Novembro. O dia 19 é a data da gravação de um rascunho inacabado.

1 de novembro de 2006

O Coliseu visto por Domingos Alvão

Há dez anos chegou até mim, trazido por mão amiga, um álbum fotográfico elaborado por Domingos Alvão (1872-1946) com um levantamento exaustivo do Coliseu. Suponho que terá sido executado pelo fotógrafo por encomenda, o que era, e é ainda hoje, comum aquando da inauguração de um empreendimento importante. Estava lá todo o esplendor do edifício, em originais num formato próximo do 20x25 cm colados em cartolina escura, cuidadosamente separados por folhas de papel cebola. Das partes nobres aos sanitários, das caldeiras de aquecimento aos camarins, dos quadros eléctricos a uma adega regional que, suponho, terá desaparecido. Tudo fotografado com a mestria de Alvão, caracterizada pelos planos abertos, abarcando grandes espaços, pelos enquadramentos cenográficos e pela utilização da luz ambiente. Com uma interessante particularidade acrescida: todas as fotos estavam assinadas à mão pelo fotógrafo. Perante a impossibilidade da posse daquela preciosidade - não estava à venda por preço algum - apressei-me a digitalizar as imagens que hoje aqui trago.

















Apesar de o Coliseu não ter sofrido grandes modificações desde a inauguração, em 1941, pelo menos no que diz respeito aos espaços públicos, e de termos consciência da sua existência física presente, as fotografias remetem o observador para um mundo inefável que sabemos não ser mais possível. Talvez seja nessa aura do tempo que resida o encanto da contemplação das imagens de Domingos Alvão.

20 de outubro de 2006

Escadas do Céu



Quanto mais penetrava no vale do Douro, mais sentia a pequenez, adivinhando a migalha que somos neste canto do mundo.

Francisco Gouveia
As Escadas do Céu, romance, 1999


6 de outubro de 2006

O Comboio Azul

Apeamo-nos finalmente na estação de Campanhã. Uma fila de carruagens sobre a linha do tramway. Um rumor diligente e alegre de tamancos novos sobre os largos passeios lageados.

Apeemo-nos pois, e saudemos o Comboio Azul que, entre os maquinistas, traz o Jorge Ricardo Pinto - que tão boas provas deu no excelente Avenida dos Aliados - de volta aos blogues. E brindemos, porque o Comboio trará, seguramente, a leitura de brilhantes textos sobre o Porto e a contemplação de belas imagens.

5 de outubro de 2006

Frente e verso

É uma agradável surpresa entrar no edifício de fachada cinzenta, austera e clássica da Caixa Geral de Depósitos, e deparar com as cores vivas, o ritmo e os padrões geométricos que caracterizam a Art Déco, na Galeria da pequeníssima antena da Culturgest, no Porto. Um espaço vivo e conservado de que se recomenda a contemplação.

Na Outra Face da Cidade Surpreendente está à vista o verso desta página. No mesmo espaço monumental, o da Avenida dos Aliados e da Praça da Liberdade, pode observar-se o estado deprimente do interior do edifício do antigo Café Imperial, café que, seguramente, teria tido o mesmo destino dos pisos superiores do prédio, se não tivesse sido renovado pela McDonald's.







2 de setembro de 2006

Tranquilidade



O estuário do Douro ficará por aqui, como metáfora de espaço e liberdade, durante algum tempo, enquanto desfruto das amenidades de Setembro noutras paragens. A Cidade Surpreendente regressará no próximo dia 20.

30 de agosto de 2006

Em Santa Catarina

Santa Catarina irá entrar em obras. Já tinha sido anunciado, contudo, hoje, pela manhã, o Janeiro trazia dados mais concretos. Finalmente há prazos e preços. E vontade, também, para levar a cabo uma ideia que já vem de 2001.



Serão repostos, num pequeno trajecto da rua, os carris dos velhinhos eléctricos, possibilitando a ida do Carmo à Batalha descendo os Clérigos e subindo 31 de Janeiro, e o regresso, de novo a descer, por Passos Manuel até aos Aliados, e voltando a subir ao Carmo pela Rua de Ceuta. Um percurso que se adivinha encantador.



Ignoro o que irá acontecer a Santa Catarina, que parte será renovada, e desconheço o projecto. A rua é tão longa que vai da baixa à alta ligando duas praças. É uma rua de bom traço vinda dum tempo em que se fazia bem a cidade. À semelhança do vale do Douro, e do Porto também, está assente num socalco artificial, construído entre a Batalha e Gonçalo Cristóvão. Daí sobe segura até ao Marquês.

Irá seguramente resistir, até por que o pavimento da parte pedonal é desgracioso. O casamento de blocos de betão com calcário e basalto é infeliz. E a iluminação e os inúmeros obstáculos que por lá semearam as sucessivas vereações camarárias também. É como se a rua que veste casaca calçasse chinelos.







Aconteça o que acontecer, aqui ficam algumas imagens deste Verão, em Santa Catarina, para mais tarde recordar.

16 de agosto de 2006

Finalmente...



Finalmente surgiu do ar, a única prevenção eficaz contra os fogos de Agosto, a chuva. E A Cidade Surpreendente entregou-se à contemplação das nuvens redentoras, algures no vale do Douro, encantada com a possibilidade de olhar em redor sem entrever uma única mancha de fumo. As noites frescas e os aguaceiros são, de facto, um preço baixo a pagar pela preservação da paisagem natural e uma excelente defesa contra a barbárie incendiária que nos tem assolado nos últimos anos.

7 de agosto de 2006

Agosto no Porto

Primeiro vem a ameaça, no mês de Julho, com fogos de média dimensão um pouco por todo o distrito, a anunciar a catástrofe.


O céu a nordeste...

Quando chega Agosto basta a temperatura subir um pouco e o inferno aí está, invariavelmente, espelhado no céu. Foi assim no Sábado e no Domingo. O fumo no ar, a atmosfera irrespirável, o cheiro a madeira queimada que penetra em tudo...
Hoje de manhã, porém, o horror foi maior - como se fosse possível. O Sol, de um dia anunciado com céu azul e limpo, nasceu encoberto por um espesso manto de fumo, entre o negro e o amarelado da luz solar, que cobriu a cidade e fez as aves recolherem.


... e a noroeste

O monstro estendia-se por quilómetros, de nascente a poente, e ali esteve durante horas, ameaçador, largando cinzas ao vento. Depois dissipou-se em neblina, pairando ainda por aí neste fim de dia sufocante em que a rotina voltou a instalar-se.
Ontem em Paredes, hoje em Valongo, amanhã... não interessa. Já não acredito. É assim há anos. O festim dantesco continuará a desenrolar-se em Agosto, perante a indiferença e a inconsciência colectiva, até que se instale o deserto e nada mais haja para arder.

2 de agosto de 2006

O Palácio do Comércio





Em muitos de nós, a palavra palácio desperta de imediato o conceito de casa real ou nobre, oriundo, talvez, dos tempos em que o imaginário infantil era povoado pela leitura de contos de príncipes e princesas, com fadas à mistura.
O termo, no entanto, tem também, como se sabe, o significado mais concreto de casa grande, aplicado a muitos edifícios que compõem a cidade.
O prédio da Rua de Sá da Bandeira que as imagens representam, e que o afã diário nos impede de observar, foi provavelmente construído no início dos anos cinquenta. É majestoso e equilibrado, contudo, dele não encontrei qualquer referência na bibliografia que consultei sobre arquitectura do século XX no Porto. Quem terá projectado o Palácio do Comércio?

___________________________________

7 Agosto 2006

Quando deixei no ar a pergunta sobre a autoria do projecto de arquitectura do Palácio do Comércio não estava à espera que o resultado fosse tão proveitoso. A questão vale o que vale, isto é, só interessa aos curiosos destas causas. O resultado, produto da contribuição de Pedro Lessa, Tiago Azevedo Fernandes - criador e moderador do único fórum virtual de cidadania em Portugal - se outro houver, façam o favor de me dizer que eu corrijo - e Álvaro Mendonça, permite elaborar uma pequena ficha do notável edifício que ocupa todo um quarteirão no alto da Rua de Sá da Bandeira.

O projecto de arquitectura é de David Moreira da Silva, genro de Marques da Silva o arquitecto que, a par de Nicolau Nasoni - em tempos diferentes -, mais marcou o Porto com a sua arte.
O apelido Moreira da Silva levanta-me outra questão. Terá alguma ligação familiar com o horto de Moreira da Silva, que na rua de Rua de D. Manuel II, diante do Museu de Soares dos Reis, foi substituído por um mastodonte de betão e vidro? Aí o horto ostentou numa empena, durante muitos anos, o belo e imperativo lema, inscrito na silhueta escura duma pêra, «Plantai as Nossas Árvores e Colhereis os Melhores Frutos». Plantai. Colhereis. O abuso da corruptela fez, entretanto, desaparecer da linguagem corrente a conjugação da segunda pessoa do plural... Continuemos.

Segundo Álvaro Mendonça, o promotor do Palácio do Comércio foi «Delfim Ferreira, conde de Riba d'Ave, tendo-se encarregado da sua construção, a Cooperativa dos Pedreiros sob projecto de engenharia de Teixeira Rego». «(...) o custo total da obra, considerado gigantesco para a época, terá rondado os 300 mil contos. Toda a caixilharia é em bronze e alguns dos vidros aplicados em algumas das janelas e vitrinas, são em formato curvo e, ao que apurei, foram importados da Bélgica, a preços elevadíssimos», acrescenta Álvaro Mendonça no seu comentário. Informações preciosas, a que acrescento a de Pedro Lessa que nos diz que a data do projecto é 1941, de acordo com o Jornal dos Arquitectos, nº 85 de Março de 1990, pág. 31.
O meu obrigado a todos.

26 de julho de 2006

O vitral da casa dos sonhos



Oh as casas as casas as casas
as casas nascem vivem e morrem
Enquanto vivas distinguem-se umas das outras
distinguem-se designadamente pelo cheiro
variam até de sala pra sala
As casas que eu fazia em pequeno
onde estarei eu hoje em pequeno?
Onde estarei aliás eu dos versos daqui a pouco?
Terei eu casa onde reter tudo isto
ou serei sempre somente esta instabilidade?

(...)

A casa a que pertenceu o vitral acima, não caberia no poema de Ruy Belo. Não era daquelas que explicam que exista uma palavra como intimidade, referidas pelo poeta. Pelo contrário, era um lugar de espectáculos públicos que se terá cruzado com a poesia à sua maneira, no domínio dos sonhos.

Muitos de nós se lembrarão do Cinema Trindade, do seu enorme ecrã para filmes de 70mm. Do 1º Balcão espaçoso a meia altura da sala, que permitia usufruir plenamente do espectáculo cinematográfico. Do som estereofónico. Outros recordarão as sessões matinais do Cineclube do Porto, aos Domingos, e os concertos de jazz quando a marinha americana passava por Leixões.

A programação do Trindade estava então a cargo de um homem culto, apaixonado pelo cinema, elemento destacado do Movimento Cineclubista e opositor do regime vigente: Luís Neves Real.
A ele se deve a abertura do Batalha Bebé em 1976, em plena democracia, para aí exibir filmes de menor audiência, como reacção ao já então anunciado êxodo de espectadores, que determinou o encerramento do Trindade em 1989. Do interior do edifício resta o vitral, a lembrar a abertura daquele espaço em 1913 e também para que não sejamos somente... instabilidade.

Oh as casas as casas as casas
as casas nascem vivem e morrem
...

_______________

28 Julho 2006

Como adenda, porque é um excelente suplemento a esta entrada, transcrevo o comentário de Denudado, autor do do blogue A Matéria do Tempo, que me atrevo a intitular:

O Mundo Sonoro de Jorge Peixinho no Cinema Trindade

A referência ao som estereofónico da sala do Cinema Trindade acendeu em mim uma recordação.

Era no Trindade que a Juventude Musical Portuguesa organizava alguns dos seus concertos, a que eu assistia na minha qualidade de sócio da instituição.
Assisti uma vez, não exactamente a um concerto, mas antes a um recital de piano, em que o grande compositor português de vanguarda Jorge Peixinho (já falecido, infelizmente) interpretou algumas obras da sua autoria.

Uma dessas obras chamava-se, salvo erro, Harmonias II ou Harmonias III. Para interpretá-la, Jorge Peixinho tinha um microfone junto do piano, o qual estava ligado a um gravador de bobina; a este gravador seguiam-se mais 3 outros gravadores, todos perfeitamente alinhados uns pelos outros. Uma fita magnética saía do primeiro gravador e passava directamente pelas cabeças de leitura dos gravadores seguintes, só sendo enrolada pelo último gravador de todos.

O primeiro gravador (o que tinha o microfone) registava na fita magnética o que Jorge Peixinho tocava. Um ou dois segundos mais tarde, a mesma música era reproduzida pelo primeiro gravador, o qual estava ligado às colunas laterais da sala que estavam mais à frente. A seguir (com mais um atraso temporal de 1 ou 2 segundos), ela era reproduzida pelo 2º gravador, o qual estava ligado aos altifalantes laterais do meio da sala. Por fim, a fita era reproduzida, 1 ou 2 segundos mais tarde, pelo 3º gravador, o qual estava ligado às colunas laterais do fundo da sala.

Resultou de toda esta montagem que o público ouvia primeiro as notas tocadas no piano, vindas directamente do palco. De imediato, as mesmas notas avançavam pela sala fora, como uma verdadeira onda sonora, da frente para trás, à medida que iam sendo emitidas pelas colunas da sala.

O resultado não podia ser mais magnífico. O avanço da música pela sala, em ondas, e a interacção harmoniosa que ela fazia consigo própria, fez daquele recital um espectáculo verdadeiramente inesquecível. Foi no Trindade.